Tudo o que um Bombeiro Civil precisa saber sobre extintores de incêndio

A principal função de um Bombeiro Civil é atuar na prevenção de incêndios e acidentes. Por isso, é fundamental que eles conheçam os seus instrumentos de trabalho, sabendo a exata função de cada um para manuseá-los sem dificuldade em uma emergência.

Um dos principais itens usados pelos guerreiros para controlar o foco do fogo é o extintor de incêndio. Esse equipamento, obrigatório em grande parte dos estabelecimentos, garante que um princípio de incêndio seja controlado em pouco tempo, com uma ação rápida.

Pensando em explicar melhor como funciona esse instrumento essencial para o trabalho dos Bombeiros, fizemos um artigo com tudo o que os profissionais precisam saber sobre extintores de incêndio. Confira:

Inspeção

É tarefa do Bombeiro Civil inspecionar todo o local onde irá atual bem como as ferramentas que podem ser utilizadas em seu trabalho. Isso faz com que a sua ação em casos de emergência não seja prejudicada por possíveis imprevistos com seus instrumentos de trabalho.

Os extintores de incêndio fazem parte da lista de itens que devem ser inspecionados pelos profissionais. É preciso verificar se eles estão instalados nos locais adequados, em lugares bem visíveis, se o acesso a ele está fácil (em uma área livre), se os lacres estão intactos e se ele não apresenta nenhum dano físico. Isso garante uma ação rápida no combate a um princípio de incêndio.

Acionando um Extintor

Para que a ação do Bombeiro Civil seja efetiva nos casos de princípio de incêndio, é preciso que o profissional saiba como acionar o extintor.

O guerreiro, primeiro, precisa notar qual o tamanho e peso do equipamento para determinar uma forma de manuseá-lo com maior facilidade. Depois, é preciso que o Bombeiro rompa o lacre e retire o pino para poder aciona-lo e realizar o combate ao foco do fogo de forma eficaz.

Tipos de extintores

Um ponto importante que o Bombeiro Civil tem a obrigação de saber é a diferença de cada extintor, já que as classes de incêndio podem ser inúmeras. Os equipamentos são classificados de acordo com sua função e, para cada situação de fogo e material queimado, existe um tipo de extintor. Confira os principais:

Água Pressurizada (H2O): indicado para o combate de incêndios Classe A, esse tipo de extintor age por resfriamento e, às vezes, também é usado para abafar, já que pode se transformar em vapor facilmente.

Gás Carbônico (CO2): por não ser condutor de eletricidade, é indicado principalmente para combater incêndios de classe C. O gás tem ação de abafamento e, depois, resfria o local queimado. Também pode ser utilizado para apagar fogos do tipo A e B.

Espuma: esse material forma uma espécie de filme aquoso na superfície do combustível e age abafando e resfriando o local, o que impede que o fogo volte a se formar. É indicado para combate a incêndios de Classe B, também sendo eficaz contra o fogo Classe A.

Pó Químico: podendo ter diversos tipos de composição, o extintor com pó químico seco age por abafamento, podendo ser usado em incêndios das classes A, B e C. Os extintores com pó químico especial possuem a mesma ação, mas são indicados para o combate ao fogo de Classe D (metais inflamáveis).

Tipos de fogo

Existem diversas classes de fogo e elas são determinadas de acordo com o tipo de material queimado. Por isso, os extintores devem ser identificados corretamente, separados com as classificações A, B, C, D ou K, que ajudam o Bombeiro Civil a escolher o aparelho correto para combater o princípio de incêndio em qualquer material.

Classe A: é o fogo em material sólido comum, como plástico, papel, tecido, algodão, madeira e quaisquer outros elementos sólidos que podem queimar tanto na superfície quanto internamente. Incêndios dessa classe devem ser combatidos com extintores à base de H20 ou espuma, que controlam o fogo e resfriam o ambiente.

Classe B: são aos incêndios cujos materiais queimados são líquidos inflamáveis ou sólidos que se liquefazem, como graxa, álcool, gasolina, óleo, entre outros elementos que queimam apenas na superfície. A água, nesses casos, não é eficaz e pode piorar a situação. Os extintores ideais para esses casos são os de pó químico e gás carbônico.

Classe C: é o fogo em equipamentos e instalações elétricas energizadas. É o caso de quadros de força, fiação, motores, computadores, transformadores, eletrodomésticos, entre outros. O extintor ideal para combater esse tipo de incêndio é o de pó químico ou gases, que não conduzem eletricidade, abafam e resfriam.

Classe D: essa classe representa o fogo em metais combustíveis e pirofóricos como o titânio, lítio, zinco, magnésio, zircônio, potássio, sódio, urânio, entre outros. Para combater um incêndio causado por algum desses materiais é necessário o uso um extintor com pó químico especial, adequado para cada tipo de metal.

Classe K: são os incêndios em óleos e gorduras nas cozinhas. O “K” que nomeia essa classe vem de “kitchen”, que significa “cozinha” em inglês. Geralmente o fogo acontece em equipamentos como assadeiras, frigideiras ou fritadeiras e grelhas de cozinhas industriais ou comerciais. Nesses casos, o combate deve ser feito com extintores que tem em sua base a solução de acetato de potássio diluída em água.

1 Comentar

  • Jorge Nascimento Posted 27 de junho de 2019 20:33

    Achei importante as informações que eu li e gostaria de receber em meu email

Comentar

Your email address will not be published. Required fields are marked *